Contato

Inscreva-se

Inscreva-se para receber as novidades:

Seguidores

posts populares

flickr

Created with flickr badge.

Versão atual

Versão atual
(2015/2016) por Jess Quirino (www.jessquirino.com.br)

Na caixa



Em busca do sentido da vida

Olá! Olá para todos!

Passei um bom tempo longe hã... e que tempo... eu que sonhei tanto com esse blog me assustei ao entrar e ver que meu último post foi em fevereiro... muita coisa aconteceu... mas o que importa mesmo é que nunca esqueci do meu blog, nem do quanto sonhei com ele, nem das coisas que eu sempre quero escrever aqui! Nem posso dizer que "Hey, voltei! voltei!"... mas posso dizer que o tempo que estou aqui é mágico para mim.

Durante esse "tempo neutro e vazio" uma vontade sempre esteve presente em mim... LER. Eu que sempre fui fanática por filmes e séries relaxei... deixei me levar pelo cansaço diário e perdi aquele ânimo de ver um filme, ou de ver uma série, ou de ser fiel ao Filmow e cadastrar tudo conforme sempre fazia... E chega até a ser coincidência (ou não) o fato de eu ter "voltado ao meu normal" com a ajuda de um livro: "Em busca do sentido da vida", de Augusto Cury.

Um antigo colega de trabalho me emprestou o livro e ele sempre estava lá...me encarando... na cabeceira da cama... como que dizendo: "Quando vai ser?", "Quando vai me ler?" "Tô mofando aqui", ou coisas parecidas... e isso me incomodava... ver aquele livro com aquela história interessante e aquele título curioso parado na cabeceira da minha cama há meses me incomodava... eu PRECISAVA ler. Eu PRECISAVA voltar. Precisava organizar meu computador, organizar minhas senhas, organizar meu Filmow, voltar a ler, voltar a estudar, voltar a comer direito, voltar para o blog, voltar para a minha vida! Organizar a minha vida!

E então os dias passaram...

E eu não mudei.

Continuava deitando na cama, com os olhos fixados no livro antes de finalmente apagar a luz (e apagar a mente), e dormia.

Muitos dias passaram... meses...

E finalmente eu abri o livro e comecei a ler... li um, dois capítulos... desisti.

E como se existisse um martelo batendo incessantemente na minha cabeça e dizendo: "vai, vai, vai"...eu fui. Abri o livro novamente... eu queria ler esse livro...eu queria voltar ao meu ritmo, ao meu normal... mas quando abri o livro já havia esquecido os primeiros dois capítulos, então reiniciei...

Acredito que foi a melhor sensação... reiniciar. Foi ali que me empolguei e li sete capítulos... me empolguei e organizei meu Filmow... me empolguei e organizei meu computador, minhas senhas... posso dizer com certeza que este livro foi o responsável por MOVER minha vida... impulsionar. Nunca será esquecido! E eu tenho quase certeza que o título da obra foi de suma importância para a minha mudança... se organizei minha vida? Esquece! Não é tão fácil, simples e rápido assim... mas com certeza eu me MOVI. Sai da minha inércia. Uma sensação muito boa... de renascimento.

Eis então livro:


BREVE SINOPSE: O romance de Augusto Cury é de muitas formas interessante. Conta a história do professor Júlio Verne, célebre intelectual porém asfixiado pela rotina, fama e conforto (igual o meu conforto!!!). Sua vida não tem sentido existencial nobre. Então em busca desse sentido existencial, concorda em participar de uma incrível experiência tecnológica: viajar no tempo e impedir que a Segunda Guerra Mundial aconteça!

A MORAL POR TRÁS DA OBRA: Estou realmente no início do livro mas já posso dizer que é de uma profundidade extrema... aborda, desde seu prefácio, que a educação no Brasil está entre as piores do mundo, e que a educação que o autor propõe é a que contempla "funções mais complexas da inteligência, como educar a emoção, gerenciar pensamentos, pensar como espécie, colocar-se no lugar dos outros, pensar antes de reagir, resiliência" e que essa educação coloca todas as grandes nações em péssimos lugares, mesmo os países mais ricos e desenvolvidos.

O autor aponta que descobriu em seus estudos duas síndromes, a síndrome do circuito fechado da memória e a síndrome do pensamento acelerado (SPA), as quais implicam dificuldades de se colocar no lugar do outro, pensar antes de reagir, fadiga excessiva, dores de cabeça, dores musculares, irritabilidade, baixo limiar para suportar frustração, sofrimento por antecipação e déficit de memória ou esquecimento. Disse que raramente não encontraremos alguém afetado nas sociedades modernas, das crianças aos adultos. Acrescenta, com sabedoria: "O ideal seria que hoje a educação da emoção se fizesse presente desde a educação infantil até o mestrado e o doutorado".

Um livro incrível, com certeza.

Do último trecho que li, me encantei com outra afirmação: "O Homo Sapiens, quando não sabe se colocar no lugar do outro e não pensa antes de agir, comete atrocidades de dar inveja aos mais ferinos predadores".  E não é a pura verdade? Quanta coisa horrível vemos acontecer diariamente?

Jamais podemos subestimar o que houve na Segunda Guerra Mundial e nem podemos falar muito sobre o assunto porque jamais saberemos o sofrimento que foi além das pessoas que de fato vivenciaram aquilo tudo. Mas é preciso pensar nos dias atuais... estamos pensando no outro? estamos nos colocando no lugar do outro? Devemos ter cuidado com a nossa emoção... com as nossas relações... e com a educação que temos... com a educação que repassamos às crianças que nos rodeiam... precisamos ser mais humanos, a sociedade pede hoje mais humanidade.

Além do cuidado com nossa emoção... acredito que devamos ter cuidado com as informações que absorvemos. Precisamos aprender a filtrar, nessa era tão tecnológica (e recheada de confortos que nos fazem enfraquecer intelectualmente) as notícias que lemos, as fotos que vemos, o que ouvimos, o que repassamos... pois do contrário estaremos cheios de informações e vazios de conteúdo, miseráveis de sentimentos, enfraquecendo e subvertendo cada vez mais nossa emoção.

É bom estar aqui para voltar a desabafar, enfim.

Até o próximo post!


Lempre Sempre de: Alan Rickman



Olá!!! Depois de uns bons dias afastada do blog, voltei! :) Já estava com saudades ^^ 

E voltei com a ideia pronta para falar de alguém que eu realmente amo: Alan Rickman.

Alan Rickman é para mim um dos maiores atores do cinema atual, de grande talento, personalidade e presença. E que presença! Presença não apenas pela voz maravilhosa, nem pela atuação comprometida e fiel, mas pela espiritualidade e amor que tinha pelo seu trabalho. Sim... eu falo é um dos atores do cinema atual... muito embora Alan tenha nos deixado em 14/01/2016 (um dos piores dias do ano de 2016, com certeza), continua vivo dentro dos corações de muitos fãs, incluindo o meu, e assim sempre será...

Alan Rickman como Severus Snape (Harry Potter)
Certamente, Alan Rickman teve nos últimos tempos maior vínculo com seu personagem de Harry Potter, o professor Severus Snape... Porém minha paixão por Alan não vem de Harry Potter... minha paixão vem por diversos outros trabalhos que me deixaram encantada com sua atuação, mas o que mais mexeu com meu coração foi "Razão e Sensibilidade", de 1995.

Como grande fã das obras de Jane Austen (já falei disso aqui), a adaptação de "Razão e Sensibilidade" era algo que me aguçava a curiosidade... Logo que terminei de ler o livro, fui buscar o filme para assistir, e foi uma adaptação memorável, que eu gostei muito por diversas razões, dentre elas o elenco que atuou de forma sincera e comprometida (Kate Winslet, Emma Thompson, Hugh Grant, Greg Wise, Hugh Laurie e outros). Mas não havia nada que se superasse ao trabalho de Alan... nada... ele estava tão maravilhoso que quando o filme terminou sentia uma vontade enorme de que ele saísse da tela e eu pudesse abraça-lo!

Confesso que já vi o filme inúmeras vezes, tenho o DVD em casa e acho que não passo 1 mês sem revê-lo... Cada vez que Alan aparece em cena meu coração dispara! 

Alan Rickmann (Coronel Brandon) e Kate Winslet (Marianne Dashwood) em "Razão e Sensibilidade"
Antes de me apaixonar por Alan Rickman nesse filme, já havia me encantado com seu charme em "Die Hard" (Duro de Matar), o vilão Hans Gruber:

Alan Rickman como Hans Gruber em "Duro de Matar"
Também já havia me maravilhado com sua atuação no filme "Something The Lord Made" (Quase Deuses), de 2004, onde interpretou brilhantemente o médico Dr. Alfred Blalock:

Alan Rickman como Dr. Alfred Blalock em "Quase Deuses"
E no filme "Love Actually" (Simplesmente Amor), de 2003:



São vários trabalhos maravilhosos... citei os filmes que sempre me vem à cabeça quando penso nele... são filmes que posso rever para sempre, sempre, sempre...

O que acho uma incrível curiosidade é a sintonia e a amizade de Alan Rickman com a atriz Emma Thompson (trabalharam juntos em vários filmes). Sabe quando você vê a Meg Ryan e automaticamente lembra do Tom Hanks? Ou quando vê Sandra Bullock lembra do Keanu Reeves? Pois é... para mim, Alan Rickman e Emma Thompson também são assim... super sintonia a atuação dos dois, aquele casal que você sabe que existe só no cinema, mas que se existisse na vida real seria TÃO LEGAL! rs

Em "Love Actually":


Em "Razão e Sensibilidade":

E os dois estiveram em "Harry Potter":

Acredito que as mais belas homenagens para Alan Rickman vieram das palavras de Emma Thompson e de Daniel Radcliffe... me emocionei muito a lê-las:

Emma Thompson revelou ao "The Hollywood Reporter":

"O que mais me lembro neste momento de dolorosa despedida é o seu humor, inteligência, sabedoria e bondade", disse Thompson. "Sua capacidade de sentir você com um olhar ou levantá-lo com uma palavra A intransigência que fez dele o grande artista que ele era -. Sua sagacidade inefável e cínico, a clareza com que ele viu a maioria das coisas, incluindo a mim, e o fato de que ele Nunca poupou-me a vista. Eu aprendi muito com ele."

(Tradução livre do site http://www.hollywoodreporter.com/news/emma-thompson-alan-rickman-tribute-death-855861)

Já o ator Daniel Radcliffe prestou a seguinte homenagem:

"Alan Rickman é sem dúvida um dos grandes atores com quem terei trabalhado. Ele é também uma das pessoas mais leais e solidárias que conheci na indústria do cinema. Ele foi tão encorajador comigo, seja no set, seja nos meus anos pós-Potter. Tenho quase certeza que ele foi assistir tudo que fiz nos palcos de Londres e Nova York. Ele não tinha que fazer isso. Conheço outras pessoas que foram amigas dele por mais tempo que eu e todas dizem "se você ligar para o Alan, não importa onde ele está ou o quão ocupado está com seu trabalho, ele irá ligar de volta em um dia".
As pessoas criam percepções de atores baseadas em papéis que eles interpretaram, então pode surpreender alguns descobrir que ao contrário de alguns sérios (ou simplesmente assustadores) personagens, Alan era extremamente gentil, generoso, auto-depreciativo e engraçado. E algumas coisas, obviamente, ficavam muito engraçadas quando ditas por seu tom característico.
Ele foi um dos primeiros adultos em Harry Potter a me tratar não apenas como criança, mas como um par. Trabalhar com ele em uma idade de formação foi incrivelmente importante e vou carregar lições que me ensinou para o resto de minha vida e carreira. Sets de filmes e palcos teatrais estão todos pobres com a perda deste grande ator e homem."

(http://www.adorocinema.com/noticias/filmes/noticia-118641/)


Só posso dizer que Alan Rickman estará sempre presente na minha memória, vou reve-lo sempre que puder e para sempre sentirei saudades.

Até o próximo post!


Que bom que você chegou 2016! #minhas seis coisas

Estou tão feliz com a vinda de 2016!!!
Mas...se eu disser que 2015 foi um ano péssimo para mim estaria cometendo uma grande injustiça. Não foi um ano péssimo, apenas foi um ano que não teve momentos tão bons assim... foi um ano de muito trabalho, cansaço...de esgotamento em quase todas as áreas da minha vida. 

Sabe aquela pressão? Mas não aquela pressão boa... aquela pressão que te consome, que não te deixa dormir direito, que te faz virar um simples "robô" no dia a dia, não te faz sentir mais emoção ou prazer, apenas desânimo e cansaço... cansaço que te faz bloquear os sonhos mais bonitos que você tem, que te faz deixar de lado as atividades que antes você simplesmente adorava, como escrever, ler, pintar? Que te faz sentir apagada?

Eu sempre fui apaixonada pelo Natal, mas parece que a cada ano meu Natal é mais triste, sem animação, diversão, é um Natal que não aproveito da forma como aproveitei um dia. Mas não posso ser injusta e ingrata a ponto de dizer que foi um ano péssimo...

Meu ano novo também não foi maravilhoso e juro que não tenho nenhum problema em dizer isso, porque tenho senso de realidade e não seria injusta ou iludida a ponto de dizer que foi MARAVILHOSO. Não foi.

Mas também tenho senso de realidade para dizer que muitas vezes o Natal e o Ano Novo não são tão bons por NOSSA CULPA. Por pensarmos demais... idealizarmos demais... No meu caso, foi por pensar demais. 

Sou uma pessoa caseira por natureza e não tenho nada contra isso, gosto de ser assim, mas vejo que a cada Ano Novo fico "reclamando" comigo mesma de coisas que eu deveria fazer... só que eu NUNCA faço!

Então esse ano, dia 02/01 mais precisamente, tive a ideia de "instituir" seis coisas das quais devo buscar nesse Ano Novo de 2016... seis coisas que para alguns parecerão simples, para outros parecerão "Resolução de Ano Novo", mas para mim é apenas um INCENTIVO PARA TENTAR.

Não tenho a menor intenção de completar isso como se fosse uma OBRIGAÇÃO, mas sim quero TENTAR.  Se eu conseguir fazer pelo menos uma dessas coisas me sentirei melhor no próximo ano... e me sentirei também mais CONSCIENTE de que para ter um ano novo MARAVILHOSO depende muitas vezes de nós mesmos.

Eis minhas seis coisas:


 Viajar para seis lugares diferentes
 Comprar seis coisas que num primeiro momento eu não compraria
 Participar de no mínimo seis eventos da comunidade
 Ir ao mínimo seis vezes na Igreja
 Aprender seis coisas novas (um ofício, um hobby, um idioma, qualquer coisa)
 Ligar para a rádio e pedir ao menos seis músicas que me lembrem bons momentos
 Ouvir seis bandas/músicas novas
Perder seis quilos
 Ver seis filmes que a princípio eu não veria (seja por não gostar do ator, do tema, etc)
 Ir no mínimo em seis shows

Sei que seis parece tão pouco para certas coisas... Garanto que tem pessoas que fazem as seis coisas (por ex, seis shows ou seis vezes na igreja) em apenas um mês e não num ano inteiro! Mas, acredite... para mim já é um grande passo... Já que nenhuma das coisas acima são do meu costume.... Então posso dizer que o número 6 (seis), além da alusão ao ano de 2016, é também um número mínimo... como eu disse, meu intuito é me fazer tentar!

Mesmo que alguém diga para mim que apenas tentar não é o suficiente, que é postura de "perdedor", simplesmente não me importo! Tentar é o ato de pura vontade, do coração, para mim é sim o suficiente! É a prova de que quero mudanças na minha vida, mas sem a cobrança que - ao ocorrer algo imprevisível no roteiro - me deixe desanimada e sem forças para seguir em frente. Quero mais é tentar mesmo!

Penso que na virada de 2014 para 2015 escrevi um post aqui, falando do meu desejo naquele momento, que era de paz, e o ano não foi bem assim... fomos infelizmente assombrados por tragédias como o rompimento da barragem em Mariana-MG e os atentados terroristas em Paris...

Desculpe se este post parece ser tão triste comparado aos posts em geral de início de ano rsss. Juro, essa não é a intenção! E também jamais viria para fingir que tudo foi ótimo, porque seria injusto comigo e com que lê também!  Até porque, é óbvio que boas coisas também aconteceram!

Então acredito que muito antes de instituir resoluções, nos cobrar excessivamente pelas coisas, para alcançar o sucesso, para fazer isso ou aquilo, devemos lembrar de que muitas pessoas no mundo estão passando por situações muito mais graves, difíceis, não apenas as pessoas que passam por tragédias assim, mas pessoas que encontramos na rua, que não tem para onde ir, com quem ficar, que sequer tiveram a chance de ter um Natal... 

Pensando nisso.... pensando nessas pessoas e no fato de que devemos fazer o máximo para sermos felizes da forma que simplesmente nos for possível, desejo a todos/todas um ANO NOVO em que se permitam TENTAR! Sem pressa, sem cobranças, sem o pensamento obsessivo na cabeça de que se não atingir sua meta seu ano não será bom! Será muito bom! Será maravilhoso!

É o que farei nesse ano... vou TENTAR ao máximo! E o que eu conseguir depois volto para compartilhar com vocês!

Até o próximo post!


Banda do meu fim de semana: Current Swell


Current Swell é uma banda canadense de indie rock, atualmente formada por Scott Stanton, Dave Lang, Ghosty Boy e Chris Petersen. Ao todo, a banda tem cinco álbuns: So I Say (2005), Trust Us Now (2007), Protect Your Own (2009), Long Time Ago (2011) e o último, de 2014, Ulysses. O som da banda tem forte influência do folk, rock, roots, blues e reggae.

Sabe aquele tipo de som relaxante? Que te lembra férias, praia, surf, luau? Pois então... assim é Current Swell, pelo menos para mim .

A primeira música que ouvi da banda foi "Young and Able" e eu simplesmente adorei ^^, é leve e bonita:


"Long Time Ago" (do álbum de 2011) por exemplo é maravilhosa:


Gosto também dessa versão de "Long Time Ago", tão bonitinha:


"Brad's Song" é tão linda que nem tenho muito o que falar... sempre me emociono quando ouço:


Sei que é comum simpatizarmos mais com um ou outro integrante de uma banda... e comigo não foi diferente... de cara gostei muito do Dave Lang, tão querido e talentoso ()! 


Aqui vemos Dave num cover da música "I'll be your baby tonight" de Bob Dylan:


Navegando pela web encontrei um site com as fotos do casamento do Dave, coisa mais linda do mundo as fotos, separei algumas (Fonte: http://ericachan.com/blog/2014/08/30/dave-rachelle/):







E a banda já esteve aqui no Brasil! Passaram por aqui em 2012 e 2014, fazendo shows em Porto Alegre, Curitiba, Rio de Janeiro, Fortaleza e São Paulo. (+) Clicando aqui você verá um vídeo do primeiro show deles aqui no Brasil, em 2012.

Por hoje é isso gente!  E para saber mais, acesse o site oficial da banda clicando aqui.

Até o próximo post!


Lembre Sempre de: Philip Seymour Hoffman


Philip Seymour Hoffman (Fairport, 23 de julho de 1967 - Nova Iorque, 2 de fevereiro de 2014) foi um premiado ator e diretor teatral norte-americano.

Philip Seymour Hoffman conquistou reconhecimento por seu trabalho como ator coadjuvante em diversos filmes célebres, como Scent of a Woman, de 1992, Twister, de 1996, Boogie Nights, de 1997, Happiness e The Big Lebowski (br: O Grande Lebowski), de 1998, Magnolia e The Talented Mr. Ripley de 1999, Almost Famous (br: Quase Famosos), de 2000, 25th Hour e Punch-Drunk Love, de 2002, e Cold Mountain, de 2003.

Hoffman interpretou ainda Truman Capote, no filme biográfico "Capote", de 2005, pelo qual ele conquistou diversos prêmios, incluindo um Oscar de melhor ator. Foi indicado por outras duas vezes ao Oscar de melhor ator coadjuvante pelo seu trabalho em Charlie Wilson's War (br: Jogos do Poder / pt: Jogos de Poder), de 2007, e Doubt, de 2008. Em 2010 fez sua estreia como diretor de cinema com Jack Goes Boating.

Philip Seymour Hoffman conseguiu o papel de Plutarch Heavensbee nas adaptações cinematográficas de Jogos Vorazes: Em Chamas (2013), Jogos Vorazes: A Esperança parte 1 (2014) e Jogos Vorazes: A Esperança parte 2 (2015) (+).

Sempre fui apaixonada pelo trabalho de Hoffman... ator comprometido com o seu papel, muitíssimo expressivo, sempre sentia arrepios com as atuações dele, um ator que com certeza me marcou muito pelo seu talento e pela força que possuía em interpretar papeis bastante complexos, a exemplo de Truman Capote, no filme biográfico "Capote" (2005).

O filme "Capote" (2005) me marcou muito... Isso porque eu estava muitíssimo ansiosa para assistir, já que havia lido o livro "A Sangue Frio", escrito pelo próprio Truman Capote e publicado em 1966. 

Quando comecei a ler o livro, eu não imaginava que ficaria tão envolvida pela narrativa...

O livro conta a história do brutal assassinato de uma família (família Clutter) na cidade de Holcomb, interior do estado do Kansas (EUA), da ideia inicial do crime até a execução dos assassinos, Richard Hickock e Perry Smith.

Truman Capote, escritor americano, chegou em Holcomb um mês após o crime, após ler a notícia no New York Times. Ele entrevistou familiares das vítimas e dos assassinos, colheu documentos oficiais, cartas e diários, acompanhou o julgamento e assistiu ao enforcamento dos criminosos (+). Truman Capote tornou-se bastante próximo do assassino Perry Smith, com quem teria mantido um relacionamento amoroso.

Truman, depois de colher todas as informações possíveis, escreveu o romance do qual, sinceramente falando, é um dos meus livros favoritos. Além da narrativa completa do crime, você consegue perceber o sentimento que Truman Capote tinha por Perry Smith... é um livro que pretendo comprar para ter na minha biblioteca, com certeza.


Família Clutter
Richard Hickock e Perry Smith
Truman Capote
Livro "A Sangue Frio" de Truman Capote

Vi dois filmes que tratam sobre "Truman Capote" e a história dos assassinos Perry Smith e Richard Hickock:  Um deles, estrelado por Sandra Bullock, chamado Infamous (br: Confidencial), de 2006, onde Truman Capote foi interpretado pelo ator Toby Jones e Perry Smith interpretado pelo ator Daniel Craig:

Filme "Infamous" (Confidencial): Toby Jones (Truman Capote) e Sandra Bullock (Nelle Harper Lee)
Filme "Infamous" (Confidencial): Toby Jones (Truman Capote) e Daniel Craig (Perry Smith)

... e o outro chamado "Capote" (2005), filme onde Philip Seymour Hoffmann interpretou Truman Capote. 

Nem preciso dizer que o filme com Philip Seymour Hoffmann foi, na minha opinião, muitíssimo superior. Hoffman conseguiu captar a essência de Capote, interpretou de uma forma belíssima, complexa... tão bela que recebeu o Oscar pela sua atuação (prêmio merecidíssimo).

Truman Capote e Philip Seymour Hoffman
Truman Capote
Philip Seymour Hoffman
Ainda tenho outro filme sobre a história de Truman Capote para ver: o filme chamado "In cold blood" de 1967, estrelado por Robert Blake (Perry Smith) e Scott Wilson (Richard Hickock).

Os atores Robert Blake (como Perry Smith) e Scott Wilson (como Richard Hickock) com o autor Truman Capote nos sets de filmagem de "In Cold Blood" (1967)
Tenho muita curiosidade de ver esse filme e está na lista dos meus próximos... Posso dizer que esse foi um dos primeiros filmes da carreira do ator Scott Wilson, de quem também gosto bastante... Wilson, em seus últimos trabalhos mais notáveis, interpretou Hershel Greene na série de TV "The Walking Dead".

Andrew Lincoln (Rick Grimes) e Scott Wilson (Hershel Greene) na série de TV "The Walking Dead"
Ainda não vi todos os filmes de Hoffman, mas os que mais gostei, além de"Capote" (2005), foram "Scent of a Woman" (1992), "Twister" (1996)  e "The Talented Mr. Ripley" (1999).

Philip Seymour Hoffman em "Twister" (1996)
Matt Damon, Jude Law e Philip Seymour Hoffman em "The Talented Mr. Ripley" (1999)
Philip Seymour Hoffman em "Scent of a Woman" (1992)
Ontem a noite assisti outro filme em que Hoffman atuou: Moneyball (br: O homem que mudou o jogo), de 2011. Esse filme biográfico conta a história de Billy Beane, gerente geral da equipe de baseball Oakland Athletics, da Califórnia (EUA). O protagonista é interpretado por Brad Pitt, e Hoffman interpretou Art Howe (treinador do Oakland Athletics).

Embora o papel de Hoffman não tenha sido de maior importância no filme, é possível sentir (e é impressionante isso) a qualidade técnica e o talento de Hoffman...

Philip Seymour Hoffman (como Art Howe) no filme "Moneyball" (2011)
Hoffman é filho de Marylin Hoffman Coonor e Gordon Hoffman, vivia em Manhattan com sua namorada, a estilista Mimi O'Donnell, com quem teve três filhos: Cooper Alexander, Tallulah e Willa.

Mimi O'Donnell e Philip Seymour Hoffmann
Hoffman com seus três filhos, Cooper Alexander, Tallulah e Willa
Hoffman se foi muito cedo... faleceu em 2 de fevereiro de 2014, ou seja, há aproximadamente 2 (dois) anos... pelo que se divulgou, a morte teria se dado supostamente em virtude do uso excessivo de drogas, já que Hoffman foi encontrado morto no banheiro do seu apartamento em Manhattan, com uma agulha inserida em um de seus braços (+). Eu senti muito quando soube da notícia... vi as manchetes sobre seu funeral e fiquei profundamente triste pela sua família, seus filhos, sua companheira Mimi O'Donnell... uma tragédia de fato. Uma perda imensurável para o cinema.

Poderia ficar aqui horas falando sobre Hoffman, tamanha a lista de trabalhos impecáveis e o grau de admiração que tenho pelo ator... com certeza, alguém que jamais será esquecido!

Até o próximo post!