Contato

Inscreva-se

Inscreva-se para receber as novidades:

Seguidores

posts populares

flickr

Created with flickr badge.

Versão atual

Versão atual
(2015/2016) por Jess Quirino (www.jessquirino.com.br)

Na caixa



A sensibilidade ausente


Hoje falo da sensibilidade ausente... aquela que eu sei que é ausente em você, em mim, em quase todos os seres humanos que habitam esse Planeta...
Não se admire com a minha afirmação: nossa sensibilidade às vezes tira folga, entra em recesso, sai de férias, fica de licença...
Quantas tragédias acontecem no mundo, todos os dias?
Quantas vemos pela TV, quantas são noticiadas no rádio, quantas a gente descobre lendo um jornal, conversando com o vizinho?
No momento em que a gente se depara com uma tragédia nosso coração fica pequeno: lamentamos, comentamos entre amigos e família ou, na maior parte das vezes, sofremos calados sem ao menos saber o que dizer...
Mas me sinto horrível quando esqueço de uma tragédia... quando todos nós, insensivelmente, deixamos para trás a tragédia que aconteceu, apagamos aquele dia, aquela imagem vista na TV, e seguimos em frente...
É nesse momento que a sensibilidade entra em recesso.
Deixamos de nos colocar no lugar da pessoa que sofreu, do país que sofreu, do animal que sofreu...
Mas será que tudo isso não é mecanismo de autodefesa? Será que nosso próprio organismo faz nossa sensibilidade viajar por um tempo para que possamos, de fato, seguir em frente?
Não sei...
Apenas não gosto quando a sensibilidade se ausenta.
Grandes homens e mulheres que lutaram pelos mais valiosos e difíceis direitos (a exemplo da recentemente agraciada com o Prêmio Nobel da Paz, a paquistanesa Malala Yousafzai) nunca esqueceram as tragédias que viram, fizeram desta lembrança constante uma luta para melhorar a vida das pessoas. 
Acredito que grandes homens e grandes mulheres jamais deixam sua sensibilidade ir embora, na verdade, não deixam a sensibilidade sequer tirar uma soneca.

5 comentários:

  1. estamos quase nos acostumando a tragedias e injustiças ao inves de fazer algo contra elas

    www.tofucolorido.blogspot.com
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Verdade flor, estamos nos acostumando com coisas ruins, é uma pena
    Beijos
    http://segredosdacahlima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    Adorei seu texto. No meu caso, uso o recurso de sensibilidade ausente pra me proteger mesmo, eu não tenho peito suficiente pra ir contra as tragédias e afins, então evito-as.

    Beijos
    Platina Rosa || Instagram || Facebook ||| YouTube

    ResponderExcluir
  4. Tragedias se tornou tão ''comum'' no mundo em que vivemos, mas não normal, é difícil combater, mas muitos fazem oque pode!
    Belo texto!
    Beijos
    http://tendenciateenoficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Confesso que nem é questão de sensibilidade, eu sempre fico muito triste com tragédias, mas de certa forma evito saber delas, numa tentativa egoísta de não me abater, como se isso fosse diminuir a dor das pessoas. Temos mesmo que orar a Deus, e fazer algo mais para mudar o mundo que vivemos de alguma forma, como um texto assim que leva as pessoas a pensarem e lembrarem se estão ou não sendo insensíveis. :)


    Feliz 2015!
    beijoo,
    Dressa
    Blog Dress

    ResponderExcluir

Deixe sua mensagem!